segunda-feira, 4 de outubro de 2010

O Casamento

Conta a lenda, que na China, em uma longínqua época que o tempo custa a apagar dos corações, em uma velha província para qual o vento ainda indica a direção, vivia um bem aventurado jovem, cuja única preocupação na vida ainda era se casar.

Procurava uma companheira fiel com quem pudesse dividir o resto de seus dias, mas nenhuma das moças da aldeia lhe chamava a atenção. Certo dia então, o jovem foi a procura de um dos sábios da aldeia para lhe pedir um conselho.

Chegando a casa do sábio, este apenas o perguntou: o que procuras? Ao que o jovem respondeu: procuro uma companheira fiel que possa ter ao lado durante todos os dias de minha vida. Sem rodeios, o sábio olhou para o jovem e lhe disse: Sua preocupação tem razão de ser, sua noiva não está aqui, e sim em outra aldeia. Ao norte de nossa aldeia verás um grande lago, caminhe em direção a ele, que muito em breve encontrarás a cidade de sua esposa.

O jovem agradecido, deixou a casa do sábio e partiu. Seguiu rumo ao norte com o coração ansioso e um sorriso nos lábios. Mas por mais que se passassem dias e dias, não via nenhum lago. Até que ao final de muitas luas, retornou cansado e entristecido para sua aldeia.

Desapontado com o conselho mal sucedido, resolveu então procurar outro sábio da aldeia, de menor importância que o primeiro, mas ainda sim tido como um sábio. Ao chegar na presença do ancião, disse-lhe logo que procurava uma companheira fiel com quem pudesse passar todos os dias de sua vida, mas que infelizmente, a moça não se encontrava na aldeia.

O sábio sem exitar disse-lhe que a noiva o aguardava fora das fronteiras da província, e que se ele seguisse rumo ao norte, em pouco tempo avistaria uma montanha. Disse lhe que deveria caminhar em direção à montanha se quisesse encontrar sua fiel companheira para toda a vida.

O jovem reavivou seu ânimo e partiu novamente, certo de que, se não havia visto o lago ao longe, uma montanha seria facilmente reconhecida ao despontar no horizonte. Caminhou durante tanto tempo que até se esquecera dos dias, mas tudo que via ao longe, por mais que aprumasse a visão, eram planícies e arrozais.

Cansado, faminto e com o coração pesado o jovem retornou à sua aldeia, sem compreender o que havia acontecido de errado. Decidiu então procurar um médico, e assim que o encontrou, disse-lhe que temia que sofresse da visão, pois caminhara dias e dias em busca de algo que não conseguia enxergar. O médico examinou os olhos do rapaz e disse que não havia nada de errado com eles. Mas o jovem contou-lhe sua história e insistiu que não poderia ter sido enganado por mais de um sábio da aldeia, e que tudo que buscava era encontrar uma fiel companheira para a vida toda.

O médico, após refletir sobre o acontecido disse lhe então: “Não há nada de errado com sua visão, assim como não há nada de errado com seu coração, que se inflama na busca por outro. Para encontrar sua fiel companheira de todos os dias, no entanto, você deve se casar duas vezes, só assim seu problema estará resolvido”. Dito isto, o médico despediu-se foi embora.

Transtornado, o jovem voltou para casa. E passaram se muitos dias até que encontrasse a paz novamente. E a história terminou.

Vale lembrar que tendo finalmente encontrado a paz, se casou, e apenas com uma mulher, que morava em sua aldeia.

Foi muito feliz até o fim de seus dias e somente depois de muito tempo, reconheceu suas duas fiéis companheiras para a vida toda. E que uma dependia da outra, tanto quanto a outra dependia desta...

5 comentários:

  1. Nossa gostei muito do que li por aqui, meus parabéns, vou seguir ok? Dá um pulo lá no meu e dá uma olhada, axo q vc vai gostar. Me siga tbm se possível :p

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto e gostei do que li por aqui também!

    ResponderExcluir
  3. A ansiedade em partir para ação acaba fazer com que tropecemos nas próprias pernas. Realmente sem a paz não é possível ter clareza. Existem momentos quando sentimos que, para alcançarmos a recompensa do tamanho que imaginamos, precisamos de um desafio à altura, enquanto que o maior desafio é superar a miopia de nossa própria pequenez. Nem tudo é tão complicado quanto imaginamos, mas esse é o tipo de coisa que precisamos vivenciar para haurir frutos. É possível ir de uma calçada até a outra dando a volta ao mundo, mas também é possível simplesmente atravessar a rua. Vai de cada um o tamanho do percurso pra dar valor à conquista.

    ResponderExcluir
  4. Sábias palavras Luís, sábias palavras.

    ResponderExcluir